RECOMEÇO

Depois de um longo período afastada, volto a publicar no blog Las Lobas.

Há quase oito meses sofri uma queda de bicicleta e tive uma fratura muito séria no tornozelo, além de fraturar o braço. Passei por quatro procedimentos cirúrgicos e precisei me concentrar em mim. Não havia energia para me doar para nenhuma atividade.

Foi um período difícil, intenso e rico. Foi tempo de muitas descobertas.

Desde o instante em que cai até hoje, vivi emoções contraditórias, fui forçada a encarar minha sombra e a revisitar as várias Marilias que existem no meu ser.

Impotência foi o sentimento que chegou primeiro. Eu não tinha nenhum poder sobre aquela situação.

No momento que percebi que tinha uma fratura exposta no meu tornozelo, cedi. Respirei e me entreguei ao que viesse.

Entrega e confia era a ordem interna…

Estendida naquela estrada de terra, com braço e tornozelo quebrados eu vivi a minha maior experiência de entrega.

Chamei o socorro e esperei. Era só o que eu podia fazer. Nada dependia de mim. Eu não podia resolver aquela situação.

Naquele misto de dor, impotência e medo, conseguir me entregar ao poder superior e confiar que aquilo que eu vivia era o que eu precisava viver foi o primeiro desafio que surgiu.

Entregar e confiar. Confiar e aceitar. Aceitar e agradecer.

O mantra do professor Hermógenes ressoava no meu ser: entrego, confio, aceito e agradeço.

Tive lucidez, consciência e tranquilidade para conduzir todo o meu resgate e fazer as escolhas que precisavam ser feitas. Durante as duas horas entre a queda e a anestesia para a primeira cirurgia, eu repeti pra mim: seja o que for, já é!

Entrega. Confiança. Aceitação. Já tinha uma ideia do que teria que aprender com aquela situação. Mas a vida me olhava, sorria e dizia: sabe nada, inocente! O caminho que eu começava a trilhar ali me levaria muito mais longe do que eu poderia imaginar.

A vida nos desafia sempre, de maneiras variadas. A limitação física é uma das formas que ela escolheu para me testar. Dessa vez, ela se superou: me colocou na cadeira de rodas, me trouxe muletas e me fez totalmente dependente.

Superar desafios eu já havia aprendido muito bem e dessa vez não foi diferente: encarei tudo com otimismo e determinação.

Agora era preciso aprender algo novo. Então, junto com a dor e com a força, meus velhos conhecidos, esse acidente me trouxe a possibilidade de experimentar a vulnerabilidade e a fragilidade.

Mas vou falar disso num próximo post… hoje só vim dizer que estou de volta, que já estou andando novamente rumo ao que sou e que estarei por aqui dividindo com vocês os desafios de encontrar La Loba que existe em mim.

Com amor,

Marilia Lopes

 

wolf-watermark-3